Meu Perfil
BRASIL, Mulher, de 20 a 25 anos



Histórico


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis


 
Blog de arte-e-cultura


Ousadia a moda antiga

Isensato Coração continua insensata para muitos telespectadores. A história não é um primor de ousadia,mas tem méritos para muito mais do que está recebendo do público e da crítica. Aliás, muitos reclamaram da ousadia, por vezes incoerente em alguns detalhes de Passione. Agora vem uma novela com ares mais tradicional, e mesmo assim não está bom.

Preferem remakes, como Tititi, pois é uma trama leve, porém é tão ou mais tradicional que Insensato, mas ninguém reclama. A trama de Maria Adelaide Amaral, só elogios. E as novelas das 9 no geral só críticas...

È como afirmei, há uma crise grande no horário das nove. Não importa qual o tipo de novela, rejeitada sempre será.

Não quero dizer que Tititi seja ruim, pois não é. O texto de Maria Adelaide Amaral é primoroso, talvez seja o maior destaque desta novela. Os atores em maioria estão um luxo só. Porém, como telespecatadora não aprovo muito os rumos que Jaque Leclair tem tomado em Tititi.

Alexandre Borges criou um ótimo Leclair. Mas seu personagem está cada vez mais indo para o lado da vilania. Sem contar o quanto é manipulado por Clotilde. Por essas, e outras que quase ninguém torce pelo Jacques. Ele poderia se descobrir apaixonado por Jacqueline, e de repente melhorar um pouco o seu caráter , focando sua história na rivalidade com o Ari.

Ari, muito bem interpretado por Murilo Benício não é um santo,mas está sempre fazendo as coisas certas e conquistando a torcida do público. Vi alguns vídeos da primeira versão e Leclair não é tão abobalhado como nesta versão.

O telespectador deveria, nesta versão torcer de forma divida pelos dois personagens e não defender apenas um. Outra ponto é a história da Marcela. Ela começou muito bem e continua bacana,mas lembrando que ela é uma personagem extraída de Plumes e Paêtes. Na ausência de Cassiando Gabus Mendes na época da trama, Sílvio de Abreu assumiu a história e Marcela virou vilã.

Não sei se como vilã, mas deveria haver uma ousadia por parte da ótima Maria Adelaide e dar uma virada na personalidade da personagem. Seria muito bom até mesmo para a Ísis Valverde como atriz.

O público se surpreenderia. Porém, o temor de arriscar está cada vez maior nas novelas atuais. Dificilmente existirá uma história como de Nice em Anjo Mau, a vilã que virá mocinha,mas no fim morre ( na primeira versão, pois na segunda ela sobreviveu)ou um autor ousar matar o protagonsita carismático como Janete Clair fez em Pecado Capital.

As novelas das décadas anteriores eram melhores, pois o medo de arriscar não existia. E o telespectador, por que mudou tanto? Essa é uma resposta para os próximos textos...

Até a próxima semana!



Escrito por arte-e-cultura às 20h45
[] [envie esta mensagem] []



Não é só A Fazenda que erra não...

E agora Boninho, o que fazer?

O reality A Fazenda sempre sofreu críticas por escalar mal seus participantes, por essa razão o programa não flui com intrigas,brigas e traições. Um reality show assim como as novelas sobrevivem disso: agito. Se tudo é muito morno, não tem graça. Se não tem graça, não tem audiência. A segunda edição da Fazenda sofreu com participantes omissos e pouca situações interessantes. O ator Igor Cotrin foi a única salvação.

Já na terceira edição a Record acertou. Tudo deu certo, até mesmo quando participantes que poderiam render mais como Sérgio Mallandro foram precocemente eliminados da atração. Acabou A Fazenda, começou o BBB. O Big Brother nas suas últimas quatro edições acertaram em cheio em termos de participantes, porém no quesito "barulho", e não comportamento. Mas sempre tinha um, ou outro que dava para torcer até a final como o Rafinha do bbb8, o Max do bbb9, o Diego Alemão do bbb7 e até mesmo o Dourado da última edição.

Além disso, nessas últimas edições surgiram "personagens" importantes para a história do programa, como o doutor Marcelo do bbb8, a chata da Carol do bbb9, a dramática Lia do bbb10... O Boninho foi inventado cada vez mais coisas para "apimentar" a atração. Quarto - branco, casa de vidro, big fone ( a melhor de todas as invenções) e resurgimento de participantes de edições anteriores, foram algumas dessas ideias.

O BBB11 já surge como a mais sem sal de todas as edições. E olha, Bial e a produção se esforçam para elevar a atração. Não há participantes carismáticos. O que mais se aproxima deste quesito é Diogo, mas mesmo assim ele não é tão confiavél. Seus passos são aparentemente premeditados.

A transexsual Ariadna que poderia ser um trunfo.... Decepcionou por ser uma pessoa nada interessante. Ela mal sabe se expressar, não assumiu claramente sua posição de trans, e pior: carisma zero.

Os participantes só mostram sua ousadia sexual. E isso o público não aprova. Romance é bem vindo, porém baixaria não. Na festa deste sábado Igor ( aquele que a cada dez palavras nove é "tá ligado?") se "empolgou" e lambeu os seios da gordinha e mimada Paulinha. Tudo bem, eles são humanos e fazem o que querem, porém certos comportamentos em rede nacional tem limite.

Diana e Michelle ( insuportável essa moça....) protagonizaram um beijo lésbico. Estranho,já que a única bisexsual assumida é a Diana. Michelle até teve um rápido romance com Diogo. O beijo delas não foi algum natual, e sim fruto de uma certa promiscuidade. Portanto, mais uma baixaria para esta edição do bbb.

No meu livro A Vida pela TV a realidade da televisão de hoje é discutida. Alguns como Elmo Franckfort, braço direito de Vida Alves na Pró TV defendem os realities shows como o grande carro forte da década passada. O BBB, apesar das críticas não é ruim. Tem um bom faturamento e lida com os limites dos seres humanos em busca de um prêmio. O problema é sempre o mesmo, os participantes.

Nesta edição erraram feio em não mesclar pessoas belas e liberadas sexualmente com pessoas mais comuns como a Cida do bbb4 e a Mara do bbb6. Ou participantes de personalidade e inteligência como o Jean do bbb5. Tem muita gente "famosinha" (que já participaram de programas de TV, já fizeram ensaios eróticos e que conhecem pessoas do meio artístico) nesta edição e o telespectador não quer isso. Rosto bonito nem sempre é o suficiente.

Nesses últimos dias o BBB começou a esquentar com direito a ameaça de Jacqueline em bater na Michelle, pois esta não estava nada contente com o castigo do monstro atribuido pelo anjo da semana Maria e ficava irritando o pessoal do lado B da casa, no qual a passista pertence. Ela e Janaina ( outra chata) tem que ficar batendo panela ( como a Tina do bbb2) quando ouvirem um sinal.

Mesmo assim esse bbb precisa de mais situações interesantes e menos sexo. E até Bial com seus recados irônicos aos participantes sabe disso.

Vilões protagonsitas

Ainda sobre o texto da semana anterior, o blog deixou de mencionar algum importante. Em novelas com cidades fictícias os vilões pré determinados como protagonitas são aceitos. Em O Bem Amado, apesar de certa leveza, Odorico Paragaçu era um vilão,mas a comédia inserida no texto não permitiu rejeição e esta situação.

O mesmo vale para personagens impoliticamente incorretos sendo protagonistas de novelas com uma linha mais voltada para o humor. Neste caso se encaixam personagens grandiosos como Sinhonzinho Malta e a Viúva Porcina de Roque Santeiro de 1985.

Há também casos de vilões pré definidos em novelas não tão comicas e  com aceitação do público. Porém, o texto precisa ser muito bom para este personagem não ser rejeitado de primeira. Em Porto dos Milagres (2001) de Aguinaldo Silva, Fêlix Guerreiro, o protagonista vilão não sofreu rejeição. Mas quando o autor novamente colocou um vilão como protagonista em Duas Caras ( 2008) não surtiu efeito. Outros exemplos de aceitação de personagens vilões/impoliticamente incorreto protagonistas é a Nice de Anjo Mau e Tony Castellamare da recente Poder Paralelo.

Mas de qualquer forma esses são poucos casos. O telespectador de agora está cada vez mais conservador. Na próxima semana o blog irá abordar algumas novelas bem antigas, porém ousadas, e se exibidas hoje sofreria riscos de rejeição.

Até a próxima semana!



Escrito por arte-e-cultura às 20h07
[] [envie esta mensagem] []



Do jeito que o público quer...

Houve um tempo muito distante em que as novelas das 8 ( ainda era das 8 quase ás 9) eram aceitas e se tornavam verdadeiros fenomênos de audiência. Nesta época começo da década de 1990 vez ou outra, algumas tramas do horário nobre não agradavam, se tornando então a "ovelha negra das 8".

Rainha da Sucata de 1990 escrita por Sílvio de Abreu era ótima, porém por causa da novela Pantanal da Rede Manchete sofreu certa rejeição. Pantanal era uma novela rural,mas que não fugia do conceito de novela com histórias de amor, diferenças socias,personagens carismáticos e alguns mistérios. A saga de Jove e Juma era diferente, pois fugia do eixo Rio- São Paulo. Além disso, não se passava em uma cidade fictícia como Tieta, e sim no Pantanal, lugar pouco conhecido do público, pelo menos na teledramaturgia.

Ousar na localidade funciona,mas ousar na linguagem da teledramaturgia é outra história. Colocar o vilão como protagonista é mais complicado ainda. Em Vale- Tudo de Gilberto Braga, sucesso em reprise no canal Viva o autor ousou em criticar a sociedade junto a situação social e política do Brasil. Discutiu sobre ética, porém a protagonista era uma mulher honesta e determinada ( Raquel, interpretada por Regina Duarte).

Com o passar de Vale- Tudo os vilões foram caindo no gosto do público pelo excelente trabalho dos autores e atores. Odete Roitmain, Maria de Fátima e Marco Aurélio se tornaram personagens marcos.

Em 1991, Gilberto Braga ousou em colocar como protagonista o vilão. O Dono do Mundo era Felipe Barreto um cirugião plástico sem escrupúlos, casado que apostaria tirar a virgindade de Márcia antes dela se casar.

Felipe Barreto, vilão protagonista

O público rejeitou o fato de Márcia personagem de Malu Mader ter cedido aos encantos de Antonio Fagundes, o cirugião Barreto. A vingança de Márcia também não agradou. O Dono do Mundo sofreu na audiência por causa da clássica trama infantil mexicana Carrossel.

Gilberto Braga mudou os rumos e Felipe virou bonzinho e agradou. Mas ele estava apenas fingindo, ou seja, enganou a todos da novela inclusive o público. Aliás, onde isso ocorreu recentemente em uma novela? Ah, em Passione.. Clara fez exatamente a mesma coisa. Gilberto Braga, genial fez o que era perfeito para o público, redimiu o vilão. Mas no fim seguiu a coerência da novela e O Dono do Mundo enganou a todos.

O final da novela foi demais. Felipe na igreja prestes a se casar com uma moça rica e termina com uma incrível cara de cínico do personagem de Fagundes. A novela era do vilão!

O telespectador aceita sátiras políticas, críticas a sociedade, gravidez indesajada e amores imposíveis. Mas não aceita o vilão como protagonista. Não de forma já pré estabelecida,mas sim com a aceitação do personagem ao longo da novela. O público ainda curte de início a mocinha romântica e o heroi perfeito ou mulherengo. Exemplo: o casal Marcela e Edgar da novela Tititi. Ela é a típica mocinha e ele o típico heroi mulherengo que muda ao se apaixonar.

Os vilões só são postos como protagonistas se o público quiser. Infelizmente, pois é bom quando existe essa inversão pré estabelecida desde do início nas primeiras chamadas da novela.

Por falar nisso...

Insensato Coração mal estreou e já é rejeitada

Saindo do passado e indo para o presente mais uma novela das 9 começa com baixa audiência e duras críticas. O pior é que a maioria delas compara Insensato Coração com Paraíso Tropical. Sinceramente não vejo quase nenhuma semelhança.

A começar pela protagonista Marina. O perfil dela junto a sua história é completamente diferente de Paula protagonista interpretada por Alessandra Negrini em Paraíso Tropical. Paula era uma heroína mais sonhadora, ingênua e de origem humilde. Já Marina se mostra mais forte e determinda, além de ser rica.

Pedro já mostra o lado mais clássico do heroi, corajoso e honesto. Daniel, personagem de Fábio Assunção em Paraíso Tropical era também honesto, porém além de pobre era mais esperto e enérgico.

A rivalidade de Léo e Pedro é bem diferente de Olavo e Daniel. As brigas entre o vilão e mocinho de Paraíso Tropical tem maiores semelhanças com o embate de Saulo e Mauro em Passione. Daniel para quem não lembra era o filho do motorista que cresceu na empresa de Antenor Cavalcante graças a sua honestidade.

Olavo nem parente de Daniel era. A rivalidade de Léo e Pedro é mais complexa já que são irmãos. E mais: Daniel sempre soube da falta de caratér de Olavo, já Pedro nem desconfia que o irmão o odeia tanto.

Em Isensato não há uma prostituta como a Bebel, não há irmãs gêmeas, não há uma Marion, ou Ivan, por fim as semelhanças entre as duas novelas não faz sentido. A novela é boa,mas já sofre perseguição por falhas na execução da cena do sequestro do avião.

Implicaram com Eriberto Leão com seu visual distante dos personagens rurais das suas tramas anteriores. Implicaram com Paola Oliveira por causa de um problema envolvendo sua vida pessoal semelhante a situação vivida por sua personagem. É tanta implicancia que podemos chegar a uma conclusão: Não importa se a novela é boa , ou ruim, o horário nobre passa por uma grande crise.

Insensato Coração está apenas começando e pelo que está sendo publicado tem tudo para ser mais uma grande novela de Gilberto Braga e Ricardo Linhares.

Quem estiver interessado no livro A Vida Pela TV deixe o e-mail nos comentários, pois com isso estarei enviando o PDF da obra! E avisa no cometário o interesse pela obra.

Uma boa semana a todos!!!



Escrito por arte-e-cultura às 19h45
[] [envie esta mensagem] []



A volta dos que não foram!!!!

Primeiramente gostaria de esclarecer o meu sumiço do blog por este longo período. Estava terminando o meu projeto de conclusão de curso em jornalismo e isso me tomou boa parte do tempo e acabei em consequência me desligando do arte e cultura.

Capa do meu livro de conclusão de curso

No fim o projeto saiu como podem ver acima. Este livro reportagem se chama a Vida Pela TV, e conta a história da atriz Vida Alves enfocando a preservação da memória da televisão, dos pioneiros e da Pró TV ( e tem a participação do André San do blog Tele- Visão). A Pró TV tem um espaço significativo na obra, pois trata-se simplismente do museu da televisão que tem como presidente a própria Vida Alves.

Me formei em jornalismo. Sou jornalista e tenho muito orgulho disso! Esse livro foi muito importante. Ele tem um bom fio condutor, pois conta a história de uma mulher forte, determinada e repleta de talento. Para os poucos que conhecem Vida Alves posso afirmar que a sua história vai além do primeiro beijo ocorrido na novela Sua Vida me Pertence em 1951.

Esse projeto me inspirou a mudar os rumos do arte e cultura que ainda falará de televisão e música, porém terá um espaço dedicado ao passado da telinha. Provando de uma forma mais abrangente o quanto fundamental é o passado deste meio de comunicação.

Clara e Valentina a vítima e a grande vilã da injustiçada Passione

Quando eu e meus colegas pensamos na estrutura do livro A Vida Pela TV queriamos fugir do óbvio. A história de Vida Alves não é contada de forma cronológica. Não é uma biografia convencional. Não vou jamais ousar em dizer que é a melhor biografia do mundo, mas posso afirmar o seu lado ousado. Essa ousadia pode tanto agradar como desagradar.

Passione novela recém- terminada foi mais ou menos assim. Sílvio de Abreu, genial escreveu o seu melhor folhetim desde A Próxima Vítima (1995). A novela reuniu todos os elementos de um boa história com drama, romance, humor e suspense. E ainda criou uma personagem incrivél que pasmem não era a heroína e nem a maior vilã da trama, mas sim uma mulher por vezes cruel, revoltada, justiceira, misteriosa,sedutora e apaixonante. A Passione, Clara papel desempenhado com maestria por Mariana Ximenes.

Clara é uma espécie de Capitu do século 21. Até hoje existem questionamentos do caráter da sedutora personagem escrita por Machado de Assis no século 19 em Dom Casmurro. Clara confunde, confunde a si própria, pois na época em que se mostrava boa falava e agia como tal até mesmo quando estava sozinha. O telespectador sem entender acusou Sílvio de Abreu de incoerente.

Capitu quando afirmava para Bentinho que não o traiu com Escobar fazia de forma firme e absoluta. O mentiroso ( se é que Capitu é mesmo uma) acretida fielmente em suas mentiras, mesmo só até para não cair em contradição.

O público não entendeu Passione. A julgou de forma injusta. Acusou a trama de erros que ocorrem em várias novelas. Em O Clone, grande sucesso de volta no Vale a Pena Ver de Novo, tem lá os seus erros também. Não é absurda a discussão da clonagem humana, algum que nem existe? Ainda mais da forma abordada por Glória Perez? O Marrocos era logo ali, os personagens transitavam do Rio para o país de Jade de forma simples, como se o país fosse na esquina...

O Clone não deixou de ser ótima por todos os erros que teve. Novela necessita ter seu lado realista, porém não tem como ser cem por cento verossímil . Alguns erros que Passione teve poderiam ter sido evitados? Sim, assim como muitos absurdos vistos em produções não só de TV,mas como de cinema.

Por falar em cinema, Passione teve um último capítulo semelhante a filmes ou séries como 24 Horas. Por falar na série, a produção estrelada pelo ótimo Jack Bauer tem tantos absurdos, mas ainda assim é ótima. Engraçado o público em sua maioria acha o mesmo... Já Passione....

Além disso, o telespectador moralista não aceita a bigamia do Berilo que terminou com as suas duas mulheres. Realmente a príncipio não era coerente Agostina pelo perfil da personagem c aceitar dividir o Fragolone, porém o autor deixou claro que a jovem por amor ao rapaz deixou esse moralismo de lado . A história de ambos com Jéssica foi muito bem conduzida. Assim como de todo o núcleo do humor.

Brígida outra grande surpresa. Velha safada? O que tem demais. Sílvio de Abreu provoca com estas questões envolvendo a senhora e Berilo, mas em doses de humor. E o brasileiro moralista desaprova, grita que Passione destroí com tanto realismo "as famílias e jovens" com tamanha imoralidade.

O segredo do Gérsom era grave sim, apesar de não ter sido necessária a demora para a revelação do fato que já estava óbvio. Não é fácil ser viciado em sexo sujo e selvagem , sendo que este vício foi ocasionado por uma violência sexual sofrida por ele na infância pela velha porca da Valentina. Ela sim é a verdadeira grande vilã da história junto com Saulo.

Valentina é fria, só pensa em dinheiro e encontrou nas netas a chance de se dar bem na vida. Primeiro destruiu Clara. A jovem, se tornou essa mulher cruel em boa parte por culpa da avó. Mais tarde tentou fazer o mesmo com Kelly. A maneira como reagiu a "morte" de Clara na prisão foi de uma frieza digna de uma grande vilã. A velha porca nunca teve compaixão de ninguém. Clara ao menos amava a irmã.

Já Saulo, além de ser um péssimo pai e marido, revelou-se o pior: ele era pedófilo. Por isso, morreu. Ele também causou estragos na personalidade de Clara. O grito dela "Morra seu pedófilo" mostrou uma personagem atormentada e traumatiza em relação ao seu passado. Ela descontava isso em todos os homens. Até em Totó a quem gritou ter nojo. Coitado do italiano...

Fred outro grande personagem terminou de forma divina, acusado de um crime que não cometeu. Ele sempre se saiu melhor do que Clara na trama inteira. No fim, ela se deu bem e ele ...

Passione teve cenas maravilhosas, histórias ótimas, elenco, direção, enfim. Reynaldo Ginnechini provou: é ator e tem talento. Marina Ximenes interpretou uma das melhores personagens dos últimos tempos na história da teledramaturgia. Gabriela Duarte, mostrou uma nova faceta. Werner Shunemann vibre, pois Bento Gonçalves não é mais o seu único grande papel na dramaturgia. Daisy Lucidi, comemore, Valentina é a grande vilã de Passione e você foi acima da média.

E para aqueles que criticaram Passione só um aviso: Certas novelas não foram feitas para todos.

Logo Passione será cultuada assim como A Favorita outra trama igualmente critica por sua ousadia.

O blog será publicado aos domingos

O arte-e -cultura ainda citará a programação televisiva atual,mas o foco do blog será a valorização do passado da TV

Quem estiver interessado no livro A Vida Pela TV deixe o e-mail nos comentários, pois com isso estarei enviando o PDF da obra!

Uma boa semana a todos!!!



Escrito por arte-e-cultura às 21h34
[] [envie esta mensagem] []



Pela memória da TV: MTV Brasil

Apesar de já existir no mundo uma emissora jovem que explorasse os vídeos clipes, no Brasil a situação era outra. Apenas no Fantástico bandas, cantores e grupos poderiam divulgar o seu traballho, pois a atração cedia espaço para clipes musicais. Na realidade, a música sempre teve um bom espaço na televisão ( na verdade tinha, hoje já nem tanto). Programas como Globo de Ouro e Discoteca do Chacrinha, são alguns exemplos, pois eram verdadeiras vitrines para os artistas.

Mas os jovens ainda não tinha encontrado algum na TV para se identificar. Nem as bandas que tocavam para este público. Apesar de aparecerem em grandes emissoras, grupos como Titãs, Paralamas do Sucesso e Barão Vermelho necessitavam ter um espaço mais específico para falar o que pensa para um público exigente e crítico que são ( ou pelo menos a grande maioria era) os jovens. Partindo disso, o grupo Abril nas antigas instalações da Rede Tupi inaugurou no dia 20 de outubro de 1990 a MTV Brasil filial da americana existente desde 1981.

A MTV começou invadora trazendo para o jovem um canal que falava de assuntos de interesse deles, e claro exibindo muitos clipes. A emissora no começo defendia a música de qualidade e tinha no elenco VJs talentosos com grande conhecimento em música. Fábio Massari, Gastão, Astrid Fontenelle, Zeca Camargo eram alguns deles. Aliás, Zeca assim como Maria Paula logo tiveram seus talentos reconhecidos indo trabalhar na Rede Globo.

Meu sonho como jornalista é pode trabalhar em uma emissora tão aparentemente livre e espontânia, que transborda talento e atitude. Além disso, cada ano a MTV muda em função das mudanças comportamentais dos jovens. Mas, como tudo na vida, o canal tem defeitos. Depois de muitos anos priorizando o talento de profissionais entendidos de música para serem VJs, passaram a contratar muitos rostos bonitos sem o talento necessário. Sabrina, a grande musa do clássico Disk MTV é a única resalva dos modelos Vjs inexpressivos.

A juventudade da década de 1990 era melhor. As músicas eram melhores, comecei a assistir a MTV em 1996, aos 9 anos e lembro de muito coisa boa. Disk, Top 20 Brasil, Teleguiado, MTV na Estrada, Quiz MTV, Suor MTV, Alto bom Som,.. Na Music Television virei fã do Red Hot Chillippers, Guns s Roses, Faith no More, Madonna, Michael Jackson, Alanis Morisete, Silvechair, Bush ( não o ex presidente, e sim uma banda muito boa), No Dout, Nirvana, Paralamas, Kid Abelha, Barão Vermelho, Skank...

Coerentemente a MTV registrou a febre de grupos e fenomênos musicais como as boy bands e Britney Spears. Eu, como menina fui atingida por essas febres e gostei de Britney, por exemplo,mas era um momento, portanto injustificavel para a sua eterna popularidade entre jovens de agora que ontem eram bebês quando esta mocinha sem talento e muito marketing surgiu em 1999.

Triste mesmo é os jovens de hoje. As febres de ontem era mais interesssantes. Melhor Backstree Boys, do que Justin Biber. Melhor Hanson, do que Jonas Brothers. Por mais incrivél que pareça é melhor Britney do que Miley Cyrus. Melhor Spice Girls do que Pussycat Doys. Melhor KLB do que Restart. A MTV é responsável por toda a divulgação do trabalho da maioria dos artistas que fazem música para o público jovem. Atualmente a maioria é puro lixo.

Hoje, ainda mesmo que revelando talentos como Marcelo Adnet, discutindo temas como a sutentabilidade, aposta pela queda da mentalidade dos jovens com uma linguagem infantil e chata, apenas o VMB não foi afetado, pois a premiação ainda é muito boa e melhora a cada edição. Quem sabe isso não muda. Mesmo assim a MTV tem um lugar cravado na história da televisão.

Deixem o pessoal de lado

Paola, na vida pessoal venenosa, ou não, o importante é que ela arrasou em Cama de Gato

Ninguém gosta de ver uma pessoa pública sendo traida. O caso de Rodrigo Santoro traido por Luana Piovani até hoje é lembrado justificando a raiva que muitos sentem da atriz. Thais Fersoza casou com um tal de Joaquim Lopez. Depois de uma semana, ele a abandona e fica com Paola Oliveira com quem está até hoje. Esse acontecimento gerou comentários ofensivos a escolha da Rede Globo em colocar a atriz como a substituta de Ana Paula Arósia em Insensato Coração próxima novela das 9 da Rede Globo.

Paola é uma moça jovem, linda e discreta. Não é de expor, ou de falar sobre a vida pessoal. Ninguém pode julgar a menina através de histórias repercutidas na mídia sensacionalista. O que ela faz, ou deixa de fazer é da conta dela apenas. O importante é o seu profissional. Falando nele, Paola sempre foi uma atriz mediana. Alternava momentos bons com ruins. Evoluiu, mostrando talento apenas em Cama de Gato na pele da ótima Verônica. Não sei se ainda era a hora de interpretar uma protagonista em uma novela das 9 de Gilberto Braga no lugar de uma Ana Paula Arósio. Mas a moça é esforçada e pode surpreender como fez em Cama de Gato.

Além disso, no meio televisivo existe muita sujeira e poucos santos...



Escrito por arte-e-cultura às 02h23
[] [envie esta mensagem] []



Pela memória da TV: Anos Rebeldes

Em 1992 eu tinha cinco anos de idade, somente aos 6 comecei a assistir e acompanhar com ansiedade as telenovelas. Lembro-me com perfeição em 1993, das tramas Renascer, Sonho Meu e principalmente Mulheres de Areia. Naquela época já tinha uma certa tendência a torcer por histórias e personagens nada óbvios, divertidos e pecadores. Odiava a Ruth, amava a Raquel, ambas muito bem interpretada por Glória Pires. A minha mãe lia muito a revista Contigo! ( ainda com exclamação no final) quando a publicação fazia o que a MInha Novela faz hoje em relação as noticias da dramaturgia na TV. Vi uma foto da atriz Cláudia Abreu de cabelos bem curtinhos. Falava da minissérie Anos Rebeldes..

Aos 8 anos, em 1995 assisti Anos Rebeldes. Naquele ano já tinha ouvido histórias em relação a trama,mas principalmente ao trabalho de Cláudia Abreu.Eu vi a cena de sua personagem sendo metralhada. E claro, não entendi a importância da série para o país e para os jovens daquela época. Anos mais tarde quando comecei na escola a estudar sobre a ditadura militar no Brasil, eu entendi.

O Brasil, país submisso primeiro pelos portugueses e mais tarde pelas próprias circunstâncias. Durante o perído militar principalmente em 1968, muitos jovens brasileiros se manifestaram na luta por um país melhor. Não só eles,mas boa parte da classe artistica, tanto que muitos deles forma exilados pelo regime como: Caetano Veloso e Gilberto Gil. Lutamos pela redemocratização e depois de 20 anos ela ocorre. Na primeira eleição para voto direto no Brasil para presidente, Fernando Collor de Melo vence.

Gilberto Braga de forma corajosa resolveu criar uma história falando do mais tenebroso período no Brasil. Criou Maria Lúcia e e João Alfredo, dois personagens com ideologias distintas que seria o grande obstáculo para a felicidade de ambos. Interpretados por Malu Mader e Cássio Gabus Mendes, o casal representava uma relação mais madura do que a ingenuidade do casal de outra série de Braga, Anos Dourados (1986).

Essa é uma das consequências de Anos Rebeldes aliada a força dos caras pintadas em 1992

 

Alías, uma faz parte da outra. Cada uma delas contou uma época. Anos Dourados, a pureza, os bailes e o namoro puro da década de 1950. Por isso, conquistou tanto a audiência. Anos Rebeldes, a inquietude de uma juventude disposta a tudo para lutar por liberdade. Essa ideologia, pode ter rendido problemas a Gilberto que reescreveu quatro capítulos ( do 11 ao 14) considerados exagerados pelas torturas retratadas no golpe militar, porém os jovens de 1992, por causa da dramaturgia resolveram fazer como João Alfredo. Lutaram e conseguiram com as caras pintadas tirar o presidente Collor do poder. Esse foi o último grande movimento juvenil, pois a juventude, da qual faço parte decaiu e muito ao longo dos anos.

Anos Rebeldes foi a primeira obra da teledramaturgia, dentro de uma emissora comercial a explorar o tema ditadura. É a maior prova de como as histórias influenciam o público nas suas decisões. Nada nela pode jamais ser esquecido. Heloísa, de moça mimada a revolucionária, morta no fim da trama, além de ser o mais interessante personagem da minisérie é o maior papel de Claúdia Abreu em sua carreira. Pensem na hora de achar que a Laura de Celebridade é maior que Heloísa, pois irão se enganar.

Heloísa, rica e linda

Mas termina justiceira e  morta em uma cena com comentado erro de continuidade

Até Gilberto Braga foi retratado em Anos Rebeldes na pele do aspirante a autor de novelas Galeano ( Pedro Cardoso). Em uma cena Galeano é forçado a inverter certas palavras de uma novela que falava sobre escravidão no Brasil para evitar problemas. Estava bem claro que a novela era A Escrava Isaura adptação de Gilberto Braga da obra de Bernardo Guimarães em 1976.

Uma obra para não ser esquecida, além do sucesso necessita possuir um poder transformador. Esse foi o caso de Anos Rebeldes.

Por falar nisso...

Amor e Revolução inaugura algo novo? Vamos ver né Tiago!

Tiago Santiago, pelo jeito é fã de Gilberto Braga. Em 2004 na Record adaptou uma história já feita por Braga, Escrava Isaura. No próximo ano em sua primeira novela com texto inédito vai trazer algo novo para história das novelas: vai falar sobre a ditadura militar através de uma história de amor, assim como Anos Rebeldes. A diferença é que a história não é uma trama de 20 capítulos,mas sim de aproximadamente 100.

Temas históricos como a ditadura nunca foram retratados de forma única e completa em uma novela, nem nas de época que geralmente retratam mais o período da escravidão ou da vinda dos imigrantes italianos. Tiago tem um tema inédito na mão. Pode fazer história se escrever uma boa trama. É esperar para ver..

Ainda sobre Braga

Gilberto Braga precisa de uma protagonista urgente!!

Ana Paula Arósio é uma das raras modelos com talento para atuação. Seu jeito dramático e intenso sempre chamou atenção. Além de ser uma mulher linda e discreta, pois não faz ensaios semi nua e muitos menos nua. Se vive trocando, ou não de namorado é problema dela.

O que fez com a equipe de próxima novela das 9, Insensato Coração foi errado, pois se não tivesse tão sério seus atrasos e faltas, não teria sido dispensada de uma trama onde era protagonista certa a mais de um ano. Dizem que ela está grávida, envolvida com drogas, enfim, especulações. Porém, nada justifica falta de profissionalismo.

Patrícia Pillar, de acordo com o r7 foi convidada ao lado de uma outra atriz para substituir Arósio na novela de Gilberto Braga e Ricardo Linhares. Os autores decidiram deixar e decisão final nas mãos da direção da Rede Globo.

Patrícia que já trabalhou com Braga em A Pátria Minha é uma boa escolha até mesmo para apagar Flora da memória do público. Porém, ela é mais velha que os dois atores escalados para disputar o amor de Marina , protagonsita de Insensato Coração ( Fábio Assunção e Eriberto Leão), portando pode ser que a química não seja tão boa. Já a outra atriz é mistério.... O público teme em alguns forúns de discussão online que Grazi Massafera possa ser a escolhida (!!!). Isso é meio improvavél, seria uma terrível decisão, comprometendo de vez uma novela que mal estreou. Mas isso não irá ocorrer. Há muitas boas opções no mercado Global...

Saulo morreu, Diana não irá morrer. Sílvio de Abreu não liga para o ódio em relação a personagem. Está certo em manter Diana viva em coerência a história. Mas erra por não fazer nada para melhorar a desempenho muito abaixo do esperado de Carolina. Até mais, internautas!



Escrito por arte-e-cultura às 03h13
[] [envie esta mensagem] []



Pela memória da TV: Sílvio de Abreu

Ok, Sílvio de Abreu está no ar atualmente como autor de Passione, porém sua atual novela ainda sofre certa rejeição, mesmo que durante essa semana a audiência tenha subido consideravelmente, por causa do assassinato de um personagem importante na próxima segunda (11) e dos ataques de Saulo ( incrivelmente bem interpretado por Werner ). O importante é vocês, internautas conhecerem a história do mais ousado e corajoso autor de novelas, valorizando suas obras.

Ele foi ator até que conheceu seu verdadeiro talento: o de escrever. Sua primeira experiência nas telenovelas foi 1977 na adpatação do livro de Maria José Dupre, Èramos Seis, escrita ao lado do crítico de cinema Rubens Ewald Filho. O grande feito desta emocionante novela foi as inúmeras versões ganhadas,sendo que a mais recente em 1994, no SBT é considerada a melhor.

Em 1978, Sílvio na Rede Globo escreveu Pecado Regasgado. Porém sua estreia não foi nada animadora. Mas esse fracasso, talvez o tenha feito pensar na teledramaturgia de forma mais ousada. Começou adpatando um livro, fracassou na sua segunda novela. O que restava fazer? Ser corajoso. O autor assumiu Plumas e Paêtes de Cassiano Gabus Mendes, pois ele havia sofrido um infarto na época da novela em 1981.

Sílvio simplismente,mesmo sem ter assistido a novela teve a coragem de transformar a mocinha Marcela, interpretada por Elizabeth Savala na bandida da história. No fim a personagem morreu, por conta de seu mau caratismo muito bem disfarçado quando Cassiano estava a frente de trama. Aliás, Marcela está em Ti-Ti-Ti, remake que possui histórias de Plumas e Paêtes, porém pelo jeito a ousada virada da mocinha não será repetida.

Depois de Jogo da Vida (1981), trama baseada na obra de Janeta Clair, finalmente, Sílvio assumiria uma novela sua. Em Guerra dos Sexos, o autor iniciou uma bem sucedida parceria com o diretor Jorge Fernando. Sílvio ousou novamente ao mudar o estilo das novelas no horário das 7 com o humor pastalão e inpoliticamente correto. Ainda em Guerra, Sílvio junto dois mostros de teatro: Fernanda Motenegro e Paulo Autran.

Sílvio ainda escreveu mais algumas tramas neste estilo, entre elas Cambalacho (1986) grande história que unia golpes, comédia inocente , e uma grande vilã, Andréia ( Natália do Vale) e Sassaricando (1988). Em 1990, o autor teria a sua coragem testada em sua primeira novela das 9, antes ainda escreveu a minessérie, Boca do Lixo ( o título já diz tudo).

Rainha da Sucata pode ter sofrido ao concorrer com o grande sucesso de Manchete, Pantanal,mas era uma grande novela. Sílvio juntou os elementos que o consagrou nas tramas das 7 e uniu ao uma história folhintinesca. Mas no fim acabou se tornando uma trama um pouco polícial. A saga da carísmatica Maria do Carmo ( Regina Duarte) e da grande vilã, capaz de se matar só para ver a mocinha presa, Laurinha Figueroa ( Glória Menezes), só era o começo do que o autor irá aprontar no horário das 9.

O termo Quem Matou?, sempre existiu em algumas novelas. Janete Clair consolidaria em O Astro (1977-1978) parando o Brasil para saber quem matou Salomão Ayala ((Dionísio Azevedo). Mais tarde, em 88 Gilberto Braga com a maravilhosa Vale Tudo pararia o Brasil novamente para saber quem matou a grande vilã, Odete Roitman ((Beatriz Segal). O impacto causado por Vale Tudo, pois Gilberto matou a grande vilã da novela surpreendemente nos capítulos finais, sinalizaria que nenhuma outra trama seria tão ousada neste tipo de mistério. Eis que surge, A Próxima Vítima.

Claúdia Ohana, ótima na pele de Isabela.

Nunca na história da televisão ouve uma trama totalmente polícial. A Próxima Vitíma escrita por Sílvio de Abreu em 1995, foi. A novela girava em torno de uma série de incriveís assassinatos baseados no horoscópo chinês, ocasionados por uma paixão. A comédia, e as tramas mais românticas existiam,mas em menor frequência. Sílvio elaborou um mistério diferenciado. A Próxima Vítima é ousada ao extremo, pois inaugrou de vez uma novo gênero na teledramturgia, por isso é considerada ( por mim inclusive) a melhor novela do autor.

Mas sua ousadia em Torre de Babel não foi aceita em 1998. Várias histórias sofreram rejeição. Nesta trama, Sílvio queria discutir temas polêmicos como a relação de duas homosexuais e de um usuário de drogas. Como sempre incluiu núcleos engraçados. Novamente usou a tática policial ao explodir o shopping Tropical Trower para realizar um mistério de quem faria isso. Aproveitou e fez algum que não queria. Matou os personagens rejeitados na explosão.

Enfrentou mais um fracasso na novamente ousada A Incrivél Batalha das Filhas da Mãe no Jardim do Éden, ou simplesmente As Filhas da Mãe (2001) na sua volta ao horário das 7. Em Belissíma escreveu uma novela bonita, engraçada e cheia de mistérios,mas todos eram previsivéis. Pois, todos previam os grandes golpes de Bia Falcão ( Fernanda Motenegro) mesmo quando ela foi dada como morta. Em Passione Abreu, se "vinga" daqueles que rejeitaram Torre de Babel apresentando uma trama aparentemente romântica,mas que na realidade é pesada e sombria. Enganou o público como João Emanuel Carneiro, alías com suas tramas suprevisiondas por Sílvio em A Favorita ( 2008-2009) quando fez todo mundo crer que a vilã seria a Donatela e não a Flora.

Sílvio de Abreu novamente nos surpreende com Passione,mais uma novela repleta de coragem como todas as sua anteriores. Um profisional como ele jamais deve ser esquecido.

A Fazenda 3 pega fogo

Judas, frouxo, X9... elogios de Tico Santa Cruz a Dudu Pelizari

A Rede Record acertou na terceira edição do reality show, pois juntou um elenco variado ,dividiu os participantes em equipes e mudou algumas regras da atração. Desta vez como ocorreu na última edição, ninguém quer ser "santinho", em apenas uma semana o público conferiu discussões a la Casa dos Artístas 1.

Monique Evans se aproveitou de um vacilo do colega de grupo o nada ingênuo Dudu Pelizzari que abraçou Janaina Jacobina, integrante de outra equipe revelando sublinariamente que sua equipe votaria nela na votação para a roça. Nisso, o rapaz passou a ser chamado de traidor e Monique perdeu o Desafio Semanal só para ir para a roça.

Alias, após a votação na terça definindo o trio da berlinda foi um momento a parte. Luiza foi para a roça pelo fazendeiro, o hilário faz-nada, Sérgio Malandro. Já Sérgio Abreu foi votado pela maioria dos outros participantes. Ambos ( Luiza e Sérgio) são da mesma equipe. E como Dudu, o grande causador das intrigas escapou, a dupla e mais Tico Santa Cruz consideraram isso uma injustiça.

Revoltado, Tico protagonizou a melhor e mais violenta briga na história dos realities show, que quase chegou a uma agressão física . O cantor detonou Dudu, com certo exagero. "Frouxo, frouxo, frouxo", foi dito sucessivamente. "Seu Judas, traidor, X9. Quando você andar na rua e disso que vão te chamar", afirmou para um aparentemente acuado Dudu que depois, só para não ficar tão feio resolveu se defender.

No fim, a Monique foi embora e Tico não transformou de fato a vida de Dudu em um inferno. Mas ainda temos Nany People, e o seu jeito explosivo engraçadissimo nas brigas, Sérgio Malandro, folgado, divertido e teatral e Geyse Arruda,mas falsa do que ela não há. Os realities shows mostra os podres da convivência, quando se envolve dinheiro. Isso é bom, de certa forma ,mas sem sensacionalismo. A Fazenda 3 não está apelativa e sim divertida , repleta de ação e conflitos, coerentes com a convivência em grupo pela ganância e egocentrismo das celebridades envolvidas.



Escrito por arte-e-cultura às 02h30
[] [envie esta mensagem] []



Na semana anterior avisei que o blog faria uma homenagem aos 60 anos da TV. Na verdade, isso é para ativar a memória do telespectador com algumas histórias de profissionais, séries, novelas e programas fundamentais para a televisão. Essa é uma singela tentativa das pessoas voltaram a valorizar este meio de comunicação precioso.

Pela memória da TV:

Há exatos dez anos, ao contrário do que ocorre hoje, assistiamos no horário das 9 a novela Laços de Família. Essa novela foi exibida entre junho de 2000 até fevereiro de 2001. Sem dúvida esse é o melhor e mais inspirado trabalho de Manoel Carlos. Ele criou uma Helena densa e mais sofredora do que as anteriores. Vera Fisher ganhou um grande presente, considerada uma atriz mediana brilhou em Laços. Assim como Alexandre Borges, impagavél como Danilo, Marieta Severo ( Alma), Débora Seco ( Irís), Julia Feldens ( alguém sabe onde essa moça tão talentosa foi parar?), Giovana Antonelli ( Capitu) e Carolina Dieckmann.

Irís, pestinha muito bem interpretada por Débora Secco

Por falar nela, Camila sua personagem era muito chata. Realmente as provocações de Irís se tornavam mais atrativas,pois perseguiu a filha de Helena durante um bom tempo. Mas sua chatice era comprensivél com a mudança que sua vida sofreria. O drama de Camila rendeu uma das cenas mais emocionantes da história da teledramaturgia. Com leucemia, a jovem se viu obrigada a raspar a cabeça, se despindo, dessa que é uma vaidade enterna para as mulheres ( principalmente as jovens).

O comovente sofrimento de Camila, de início uma chatinha

 Estou revivendo Laços de Família,mas não vou ficar contando detalhes de uma história que já passou no Vale a Pena Ver de Novo ( na época, onde as novelas valiam a pena serem revistas) e nem das inúmeras polêmicas em que a trama de Maneco se envolveu. Laços de Família foi o primeiro grande sucesso da década de 2000. Aliás, essa era uma época muito interessante,pois as pessoas ainda assistiam as novelas com maior frequência, afinal a internet com os sites de relacionamento ainda não haviam explodido no país.

Todas as histórias decorrentes no folhetim causaram comoção no público. As cenas vistas no site Youtube mostram uma dedicação intensa da equipe, principalmente nas cenas envolvendo o drama de Camila. O realismo presente em Laços de Família chama a atenção. Mesmo acostumado a escrever tramas sobre o cotidiano, Maneco foi intensamente realista nessa novela. Por exemplo, como a personagem de Lília Cabral, a mãe de Irís estava sem importância na novela, ele resolveu mata-lá durante um assalto. Essa forte cena deve ter sido fonte de inspiração para ele escrever a morte de Fernanda ( Vanessa Gerbelli) em Mulheres Apaixonadas (2003) por causa de uma bala perdida durante um assalto também.

Publicações na época sobre os acontecimentos  em Laços de Família

Por ser a melhor novela de Manoel Carlos e por ele nunca mais ter escrito uma novela como essa, Laços de Família jamais deve ser esquecida. Pois, se fosse exibida após dez anos no horário de Passione, como se fosse a primeira exibição, infelizmente o sucesso não seria o mesmo. Afinal, o público do horário das 9 mudou consideravelmente. Não aceita tão tramas polêmicas e Laços era até mais polêmica do que é Passione. Talvez melhorasse com a doença da Camila, isso se não houvesse uma campanha para a moça morrer antes do previsto, por causa da Carolina.

Pessoas, vejam Laços de Famíla,pois para aqueles que rejeitam Passione ( mesmo as histórias sendo diferentes) analisem que uma novela precisa de uma boa mensagem.

Se Laços de Família foi exibida em 2010, o triângulo amoroso formado por Edu, Helena e Camila ( mãe e filha) sofreria certa rejeição

Quem vai morrer?

O que será que se passa na cabeça de Sílvio de Abreu?

O blog está lançando um bolão e quer as apostas dos visitantes para saber quem vai morrer em Passione. Eu, Luana aposto na Diana. E vocês? O assassinato está previsto para ocorrer no dia 11 de outubro.

Quatro cenas de assassinatos foram gravadas e uma só será a verdadeira. De acordo com vários sites, Fred, Saulo e a própria Diana gravaram estas cenas. E a quarta suposta vítima ? Mistériooooo. Algum surpreendente como a morte do Totó, ou da Clara poderia ocorrer. Afinal, eles são os protagonistas, e o título Passione é por causa de paixão do italiano pela ex- vilã. Mas com a vinda de um novo namorado para Clara, Diogo interpretado por Daniel Boaventura dificilmente essa surpresa ocorrerá.

Em Torre de Babel, Sílvio aproveitou a explosão do shopping Tropical Trower para matar muitos personagens rejeitados pelo público.Leila e Rafaela ( casal de lésbicas interpretadas por Christiane Torloni e Silvia Peffeifer) , o drogado Guilherme (Marcelo Antony) e o pai de Clementino ( Tony Ramos) o Angenor ( Juca de Oliveira). Por isso, qualquer morte em Passione causaria um grande impacto,mesmo a vítima sendo o alvo certo, ou não ( o eleito(a) pode ser morto por engano). No caso de Diana, se ela não morrer, o autor tem duas opções. Aproveitar a ambiguidade da interpretação da Carolina para surpreender a transformando em vilã. Outra sugestão seria: sumir com a personagem sem dar o peso de ser a vítima do assassino misterioso. Isso sim, um belo castigo para a Carol.

 



Escrito por arte-e-cultura às 02h14
[] [envie esta mensagem] []



Satisfação:

Internautas, infelizmente tive problemas com o meu computador e não consegui atualizar o blog. Porém, já está tudo normalizado.

Seis décadas para se pensar

A realidade não é a das melhores para todas as emissoras

A televisão começou de uma forma, evoluiu para outra até chegarmos em um estágio não tão satisfatório. Em relação as novelas, cada trama simboliza uma época e a atual grita por tramas mais ousadas e dinâmicas,mesmo que a história seja um conto de fadas tradicional. Mesmo assim, folhetins como Passione sofrem uma estranha rejeição popular.Aliás, as novelas já não causam mais o impacto de vinte anos.

No jornalismo, a TV em todas as emissoras, umas com mais e outras com menos estrutura, cresceu bem. Na Globo o jeito enjessado de seus âncoras mudou para algo mais leve e espontâneo. Sem contar o trabalho de jornalistas "engraçadinhos", como Tadeu Shimit e Tiago Leifert.

Os programas de auditório estão cada vez mais repetitivos. Quadros do Domingo Legal,por exemplo é exbido de forma idêntica no Tudo é Possivél e no Cadeirão do Huck. O que faz a diferença entre um programa de auditório e outro são os animadores. Atualmente o carismatico Rodrigo Faro e o eterno Sílvio Santos se destacam.

Mas o que dizer da programação da tarde? Nada,pois é isso que ela é ,um nada em rede nacional disperdiçando o talento do jornalistas como Sônia Abrão.

Em relação as emissoras, a Record foi a que mais surpreendeu,pois tirou o SBT da vice liderança e produziu grandes novelas como Poder Paralelo e Vidas Opostas. Porém, se baseou muito na Globo copiando formatos de programas. Infelizmente o canal da Barra Funda perdeu o rumo.  Muitos bons atores contratados inicialmente estão voltando para a Globo. Entre eles, Gabriel Braga Nunes, Petrônio Gontigio, Tuca Andrada, Léo Rosa, Cécil Thieré e Lavinia Vlask.

O SBT vive do passado,pois sua programação gira em torno de reprises e das sobras da Rede Manchete. A Globo pouco ousou. Tentou apenas na dramaturgia,mas em algumas produções não surtiu efeito. A Band voltou a investir no esporte. A Gazeta continua do jeito que sempre foi. Já a MTV teve altos e baixos. O pior momento foi quando, em 2007 tentou retirar os vídeo clipes da programação. Mesmo assim permanece revelando bons talentos e hoje possui um forte núcleo de comédia. Se a linguagem decaiu é por causa da juventude atual fãs de bandas como Restart ( merecidamente vaidos no último VMB).

O humor evolui pouco, a grande novidade foi o CQC,pois mistura jornalismo e comédia com ótima pitada de ironia. Já o Pânico, infelizmente apela para a baixaria com as mulhres gostosonas como Sabrina Sato.

A TV de hoje vive a realidade de comprar formatos de programas de outros países. E se sustenta disso atualmente,pois foi dessas compras que nasceram os realities shows. Big Brother Brasil é o mais bem sucedido em termos de audiência e repercussão. Com a atração, uma nova forma da pessoa se tornar atriz ,modelo e apresentadora surgiu. O BBB virou uma espécie de agência de sub- talentos.

Os 60 anos da TV não causou a mesma comoção que os 50 anos. A Globo há 10 anos fez uma grande transmissão convidando artistas de outras emissoras para homenagear, esse que ainda é o meio de comunicação mais popular do Brasil. Esse ano a festa foi organizada pela equipe da Pró TV.

A Pró TV é o nome do museu da televisão comandado desde 1995 pela atriz Vida Alves. A entidade, com fotos, câmeras antigas e diversas fitas contendo raridades da telinha se localiza na casa dela no bairro do Sumaré. Infelizmente Vida teve que passar por poucas e boas para manter o sonho de levar o museu para um lugar adequado.

No último sábado ocorreu a festa em comemoração dos 60 anos da TV no Memorial da América Latina. Regina Duarte, Lima Duarte, Raul Gil e Hebe Camargo foram alguns dos convidados. Aliás, Hebe com suas ironias a Silvio Santos chamou mais atenção do que a promessa do governador e do perfeito de São Paulo em ajudar na realização do museu da televisão.

Como estou no meu projeto de conclusão de curso em jornalismo desenvolvendo a biografia da Vida Alves, estive na festa e pude ver a sua alegria a cada momento do espetáculo.Por isso, no próximo post estarei, baseado no meu trabalho homenageando momentos importantes da TV. Pois, essa história não pode ser esquecida.

O que acontece com a Dieckmann?

Mata a Diana, Melina,por favor em nome de Passione

Em todos os blogs e sites sobre TV a rejeição a Diana personagem de Carolina Dieckmann é grande. Tanto a atriz como a personagem são duramente criticadas. A revista Minha Novela até fez uma matéria especial falando do ódio que Carol está causando nas pessoas por conta de sua péssmia atuação.

Péssima,aliás é pouco. Analisando a carreira de Carolina, ela pode muito mais do que oferece atualmente,pois não é uma atriz ruim. Em Laços de Família, se não fosse uma atuação convicente não teria causado tando impacto,mesmo Camila sua personagem sofrendo de leucemia. Na novela Cobras e Largatos sua participação como a vilã Leona foi satisfatória.

Na realidade nas demais novelas na qual participou, apesar da importância e da força das personagens, Carolina não procurou mudar o jeito de atuar. È sempre a mesma expressão o mesmo olhar... Porém, emprestava um carisma que encantava ao público como a Edwirges de Mulheres Apaixonadas. Na época, ela foi colocada como a nova "namoradinha do Brasil".

Em 2004, quando atuou em Senhora do Destino, Carol foi muito bem como Maria do Carmo jovem. Porém, não tão bem como Isabel. Mesmo assim seu carisma no vídeo era grande. Mas depois de Leona, seu desempenho caiu . Em Três Irmãs, sua atuação foi desastrosa,porém como a trama era mesmo ruim, seu trabalho ruim ficou para segundo plano.

Agora como Diana ela brinca com a paciência de todos os envolvidos em Passione,pois prejudica o desempenho de Rodrigo Lombradi, faz com que muitos telespectadores troquem de canal quando ela aparece em cena e causa um conflito para o autor Sílvio de Abreu. Por causa de Carolina, muitos acham que Diana é uma personagem ruim. A tratam como se ela fosse a vilã.

Mas Dina é interessante,pois não tem atitudes politicamente corretas. A personagem possui personalidade forte e é super humanizada. Escolheu o sedutor Gerson,mesmo envolvida por Mauro. Casou logo,mas ao ser trocada em plena lua -de- mel pelo vício do marido em ficar no computador causando nele uma atitude agressiva, se arrependeu. Percebeu que não o amava, e mais viu o quanto Gerson é complicado repleto de complexos. Tentou ficar com ele apenas por causa de Bete.

Sua relação proibida com Mauro cresceu apartir disso. Mesmo com a gravidez de Melina, Diana não agiu como uma heroína fragél incentivando seu amado a se casar com a outra, abrindo mão de seu amor. Foi a luta, e provou a falsa gravidez da rival. Por tudo isso o problema da Diana é quem a interpreta.

Carolina Dieckmann, apesar do carisma em suas personagens anteriores não o emprestou neste. E mais: fora de cena ela tem uma péssima imagem. Muitos a acham chata e arrogante. Realmente transparece tudo isso. Além disso, sua exposição em capas de revistas é grande, aumentando a raiva que está causando no público telespectador de Passione.

Sílvio de Abreu provavelmente será obrigado a matar Diana. Mesmo negando que ela está sendo terrivelmente rejeitada. O público não vê a hora da notícia de sua morte ser confirmada. Pela história perferia a Clara,mas para o bem de Passione é melhor mesmo a Diana.



Escrito por arte-e-cultura às 01h02
[] [envie esta mensagem] []



Nem tão alto assim..

Apesar dos esforços Ivete só foi as alturas para os brasileiros em NY

Ivete Sangalo realizou seu sonho como cantora. Cantou na maior e mais prestigiada casa de espetáculos americana: o Madison Square Garden . Mas como já era de se prever, seu show teve uma massiva presença de artistas e celebridades brasileiras. Sem contar os inúmeros fãs brasileiros presentes na apresentação da baiana.

O show foi custeado pela própria Ivete e teve um patrocínio da empresa área TAM. Grandes jornais americanos falaram bem de Sangalo, porém viram que ela terá grandes dificuldades se realmente pretende uma carreira internacional, por causa do idioma e do estilo de música desconhecido.

Ivete Sangalo é interessante por ser uma artista assumidamente popularesca. Ela não se importa em ter poucas boas músicas em seu repertório. Seu compromisso é divertir o brasileiro com letras festivas de fácil assimilação, sem qualquer compromisso com a arte. Aliás,a arte de Ivete é o seu imenso carisma. É feliz do jeito que é. E isso devemos respeitar.

Por todo seu talento e força merecia ser melhor. Cantar com letras melhores,mesmo sendo axé. Mas ela não quer. Faz homenagens a música  brega cantando lambada. Apoia bandas de gosto duvidoso como Parangolé ( do hit Reboletion). Mesmo assim mostrou nos EUA que cantora talentosa canta ao vivo. Mesmo com trocas de figurinos e coreográfias, não desafinou e nem fez playback. E não usou recursos para modificar a voz ao vivo. Não fugiu de quem é.

Ivete Sangalo não deve conseguir uma carreira internacional. Não por seu estilo,mas talvez por não ter (como tem no Brasil) um marketing tão grande. Além disso, o Brasil merece mesmo com as qualidades citadas de uma representante mais forte e não tão popularesca. Ivete é muito paparicada pela mídia sensacionalista,pois só há comentários de seu show em revistas de fofoca (Quem,Contigo,Caras,IstoÉ Gente e Hola Brasil) e nas destinadas á classe C. Uma Bravo!, por exemplo não daria tanta importância a sua apresentação.



Escrito por arte-e-cultura às 00h19
[] [envie esta mensagem] []



Os espiritos entre nós

Cristiane Torloni e Nelson Xavier em cena no filme sobre a vida de Chico Xavier

O espiristismo nunca esteve tão alta na dramaturgia como atualmente. No cinema, além da cinebiográfia do médium Chico Xavier, estreou neste final de semana o longa metragem baseado na obra do próprio Xavier, Nosso Lar. Nas novelas, Escrito nas Estrelas traz de volta e de maneira convincente esta temática muito bem utilizada há 16 anos na novela A Viagem de Ivani Ribeiro. No teatro, grupos teatrais espíritas estão ganhado cada ves mais destaque. Tanto que o ator protagonista de Nosso Lar fez muitas peças sobre o espiritismo.

Apesar do Brasil ser um país predominentemente católico, o espiritismo atraí a curiosidade de muita gente. Nas novelas raramente a temática foi rejeitada pelo público ,pois essas histórias apelam para emoção de forma natural. Nos faz pensar sobre a vida, os erros que cometemos e nas pessoas que já morreram. De maneira simples, muitas tramas fazem história.

Guilherme Fontes brilhente como Alexandre

A Viagem teve sua primeira exibição em 1974 na Rede Tupi. Causou impacto,mas não da forma que seu remeke. Exibida em 1994 pela Rede Globo foi uma novela bem escrita com um elenco incrivél. Guilherme Fontes no auge de sua fama, após viver o certinho Marcos de outro grande sucesso, a novela Mulheres de Areia (segunda versão também) ganhou um presente chamado Alexandre.Grande personagem que atormentou muitos, pois não se conformava pela "traição" do irmão Raul ( Miguel Falabella), do cunhado Téo ( Maurício Matar) a principal vítima de Alexandre. E claro a vingança pessoal vinda de outras vidas do irmão de Diná (Cristiane Torloni) contra Otávio Jordão ( Antonio Fagundes).

Essa novela foi uma verdadeira aula sobre os conceitos espiritas. Para este blog ainda é a melhor novela sobre este tema.Cenas emocionantes renderam picos elevadissímos de audiência não só na primeira exibição,mas também nas suas duas reprises (1998 e 2006). Vale ainda destacar o trabalho de Lucinha Lins ( Estela), Cláudio Cavalcante ( Dr.Alberto) , Cristiane Torloni ,Maurício Matar e Antonio Fagundes interpretando um personagem mais calmo, mostrando uma faceta diferente que raramente é mostrada por ele. Pois quase sempre interpreta personagens com o mesmo perfil ( exemplo, Juvenal Antena= Félix Guerreiro= Leal Cordeiro= Pedro..).

A Globo ainda investiu após A Viagem no tema,mas de forma diferente e nada sucedida. Apenas em 2005 com Alma Gêmea o espiritismo reencontrou o sucesso nas telenovelas. Após a trama de WalcyrCarrasco, o horário das seis passou a ter diversas novelas seguidas com a mesma temática. Destaque para o remeke de O Profeta. Escrita para ser uma espécie de Alma Gêmea, o retorno, a história realizada por Dulca Rachid e Thelma Guedes cresceu, se tornando mesmo com algumas situações absurdas uma ótima novela.

 

Daniel vive fase surpreendente em Escrito nas Estrelas

Elizabeth Jim escreve agora de forma absoluta uma trama que pouco se difere de A Viagem em relação á emoção. Escrito nas Estrelas, por ser leve demais ( A Viagem explorava de cenas fortes e mostrou o vale dos suicidas após a morte de Alexandre. O céu de Escrito é muito "bobo" e "inocente" perto do que a trama de Ivani mostrou) e ter algumas situações demoradas ao extremo para se desenvolver (como por exemplo, o romance de Viviane com Ricardo, a descoberta que Vitória é a Viviane, a queda de Gilmar) não consegue superar a Viagem. Mas há uma situação na história de Beth Jim que chama atenção. A transformação de Daniel de espirito bonzinho em mau elemento por causa de sua obscessão por Viviane. Vamos ver até onde isso vai dar.

O espiritismo possui uma força grande na ficção.Contada da forma certa é sucesso garantido.

Por blogar nisso..

Cena do filme Nosso Lar

Quem assistiu ao filme Nosso Lar não achou um tanto absurdo o céu com computadores, mulheres andando de salto alto, metrô voador, consertos de violino e piano? Da forma com foi colocado, nestes aspectos, todo mundo vai querer morrer. Brincadeiras á parte, A Viagem mostrou um céu bem menos fantasioso, onde as pessoas conviviam com a natureza totalmente livre de qualquer bem material. Mesmo assim Nosso Lar é um longa bonito e merece ser assistido.



Escrito por arte-e-cultura às 02h08
[] [envie esta mensagem] []



A realidade da música e o quem vai morrer, em Passione

Poperó em alta

A diversidade musical morreu. Pelo menos para os artístas que fazem música para o grande público. Hoje apenas um estilo é aceito, pop eletrônico. Cantores do mundo inteiro aderiram a esta tendência, poucos escapam deste modismo. Aliás, modismo bom somente para quem realmente tem haver com este tipo de som.

Mistura do pop com o eletrônico já estavam presentes no disco clássico de Michael

Origem

Na década de 1980, diversos artístas utilizavam da batida eletrônica com sintetizador. Mas na época era algo novo e atraente. Michael Jackson no disco Thriller foi um dos primeiros a experimentar esta mistura de pop e dance.Porém, outras bandas já faziam experimentos com esta tendência. Uma delas, Devo.

O que houve mais tarde

A dance music continuou na década de 1990,mas sem grande força. O grupo Ace of Base representaram este estilo. Madonna desde o disco Bedtime Stroy flertava com a pop dance,mas só em 1998 com Ray of Light consolidou,mas ainda de forma "timida" essa mistura. Ainda na década de 1990 os remixes nas músicas de diversos cantores viraram moda.

Music, uniou pop e música eletrônica de forma perfeita

Nos anos 2000

Madonna com Music se encontrou de forma positiva no pop eletrônico. Kylie Minogue também investiu neste estilo. Assim como o grupo Gorillaz. Porém, os outros artístas continuaram com os seus habituais estilos.

Até Lady Gaga não aparecer

Madonna já havia, além de Music lançado mais dois álbuns com essa mesma mistura. Mas apenas Confessions on a dance of floor agradou em cheio a crítica. Esse disco foi uma homenagem a dance music da década de 1970, porém com uma roupagem mais moderna. Kylie Minogue continuou firme e forte neste estilo e estava indo muito bem.

A perdida Britney Spears em 2007 no mais turbulento ano da sua vida pessoal lançou Blackout. O álbum foi muito bem produzido, e a consolidou no estilo pop eletrônico. Antes já havia feito sucesso com Toxic, música típica para as pistas de dança. Para Britney que não canta absolutamente nada, essa mudança imposta por quem dirige a sua carreira foi bem benefica para ela.

Ainda em 2007, Amy Winehouse trouxe de volta o soul e o jaz da década de 1960.Christina Aguilera seguia o mesmo rumo. Assim como Duff, a versão mais comportada de Amy. Até Beyoncé quis se beneficiar deste estilo.

Lady Gaga é quem manda na música atualmente

Em 2009, Lady Gaga com o disco The Fame, explodiu com seu jeito estranho. Além disso, trouxe de volta o sintetizador do pop da década de 1980. E mais, como é uma artísta doida, que se veste das formas mais loucas possíveis, impresionou a todos. Em pouco tempo se tornou um fenomêno.

Todos os outros artístas, até mesmo os cantores de hip hop aderiram a Lady Gaga. Katy Perry, por exemplo é uma cantora pop rock, meio Lily Allen. Agora quer ser ousada como Gaga, com músicas eletrônicas e apresentações aparentemente chocante.Erinque Iglessias, cantor romântico, está com uma música típica para as baladas,mas que em nada tem haver com o seu estilo.

Belinda, Dulce Maria, e Anahí, famosas cantoras mexicanas estão fazendo sucesso com este estilo. Black Eyea Peas se consagrou com THE END, disco totalmente dance. O DJ David Gueta passou a fazer pareceria com muitos cantores, se consagrando também.

Wanessa Camargo e Cláudia Leite estão seguindo essa mesma linha. Ivete Sangalo, que tenta uma carreira internacional, já declarou que suas músicas terão uma roupagem mais dance.

A música infelizmente se resume em:

- Ritimo acompanhado por um DJ. Com base eletrônica, e claro o sintetizador de década de 1980

- A voz, em alguns caso precisa estar alterada pelo computador eletrônico. Como a voz da Fergie, irritante na música Rock that body

- A imagem do artísta precisa ser doida e esquisita como a de Lady Gaga. Mais ousadia, como cantar nua sobre as nuven. Ou declarar que é bisexsual

- No Brasil e nos EUA, a letra da música não tem importância. Festa e sexo, são os melhores assuntos. Sempre de forma vazia. Só muda se for bom como a Madonna,ou até mesmo Lady Gaga

Belinda, estranha como Gaga. Mas Egoista, seu novo single tem uma boa letra

- Agora se é mexicano, pelo menos nas letras, o estilo se salva. Pois, as composições são mais fortes, intensas, e interessantes

Mas se tiver personalidade suficiente, irá fazer o que for mais coerente com o teu estilo musical. Pois, o verdadeiro artísta cria tendência e não copia.

OBS: Até gosto do pop eletrônico,mas inserido no artísta certo como a Madonna e Lady Gaga. O exagero está irritando. Será que não tem outro estilo na música?

O morto da vez será...

Clara, muitos se apassionam por ela

Como Passione fala sobre Paixão, Clara tem sido o principal alvo das brigas e conflitos dentro da novela, por causa principalmente do amor de Totó por ela. Sendo assim, penso que Clara, mesmo sendo uma personagem importante muito bem interpretada por Mariana Ximenes, deve morrer por ser coerente com a história da novela.

Fred, Danilo e até mesmo Totó, com sua passione, seriam suspeitos deste crime. Assim como Gema, Bete, Diana, Saulo,Mauro,Cande,Felícia ( Sim, por que não? Afinal ela ama Totó e por amor a ele o protegeria contra Clara), Valentina, Stela (por ter seduzido Danilo)... Muitos personagens de certa forma têm uma razão para matar Clara. Além disso, ela é a Passione, título da novela. Já que envolve tanta gente com sua cara de anjo. Sua morte alcançaria o impacto que Sílvio de Abreu tanto diz que vai causar com este misterioso assassinato.

Mesmo assim, ainda queria ver a Diana morta...



Escrito por arte-e-cultura às 02h54
[] [envie esta mensagem] []



Muitos coisas aconteceram nessa semana no mundo da cultura pop. Alguns destes acontecimentos nos deixam na dúvida se devemos rir ou chorar...

Que não tem titica na cabeça não vota no Tiririca

Esse é o verdadeiro candidato a deputado federal

Não há dúvidas que no meio de tantos infelizes famosos dispostos a se candidatarem ao um cargo político, Tirica foi o que mais se destacou. Tratando sua candidatura como uma verdadeira piada, disse a seguinte frase:

"Você sabe pra que serve um deputado federal? Nem eu. Mas vota em mim que eu te conto"

Infelizmente ele deve se eleger. Assim como os outros famosos,pois já temos exemplos de artístas na política. Por exemplo, Frank Aguiar. Mas será que os eleitores não entendem que não será o Tiririca o eleito a deputado,mas sim o cara por trás do personagem?

Ou será que há gente achando que ele chegará na câmara dos deputados cantando: "Florentina, Florentina, Florentina de Jesus. Não sei se tu me ama, pra que tu me seduz".

Ivete? Quem?

Olha a atenção do povo na imensa foto de Ivete

A mídia brasileira trata a gravação do DVD da cantora Ivete Sangalo em Nova York como um grande feito. Na realidade, Ivete vai gravar seu show em um grande e interessante espaço. Porém, isso não é o suficiente para uma carreira internacional. Nessa apresentação,mesmo com a presença de cantores internacionais como Juenes e Nely Furtado, haverá mais brasileiros residentes dos EUA e celebridades nacionais ( do Brasil é claro), do que alguém no qual irá fazer de Veveta e nova Carmem Miranda.

Alias, qualquer cantor rico pode alugar um espaço em um grande teatro. Ivete é a cantora que mais vende discos no Brasil, portanto juntando as suas inúmeras publicidades, a baiana se torna uma mulher rica. Como artísta mesmo carísmatica, ela deve muito. Não chega nem aos pés de Tom Jobin, por exemplo. Ele que teve uma consideravél carreira fora do país gravando um disco com Frank Sinatra, entre outros grandes feitos.

Porém o mais engraçado nisso tudo é a forma como os colunistas de TV se referiram ao baner de Ivete bem grande colocado na rua do

Madison Square Graden, onde irá se apresentar no dia 4 de setembro. Escreveram que o baner " chamava a atenão de quem passava". Engraçado,pois na foto,mesmo bela ninguém sequer ollhava.

Tapinha dói sim, Dado!

De bom moço, Dado não têm nada

Dado Dolabella se encrenca cada vez mais. Após a condenação, que deverá ser cumprida em regime semi aberto, por agressão a Luana Piovani e a camareira Esmeralda de Souza , o ator é expulso de sua casa. Sua esposa Viviane Sarahyba, com quem têm um filho denunciou o vencendor de A Fazenda , por, adivinhe? Agressão.

A situação do rapaz, que se fez de bom moço até ganhar a primeira edição de A Fazenda, está ficando cada vez pior. Revelações sobre seu temperamento ruim, e violento, pode prejudicar de vez a sua instavél carreira de ator (?), e cantor (????). Dado, por azar faz parte de uma atual geração que não vê mais graça em "bad boys", como Alexandre Frota. Por isso, toma jeito, Dado, pois se não você vai para na roça sem direito a volta.

Diana deveria morrer

Morra, sua chata

Já vou logo dizendo que acho muito clichê se um personagem tão odiado por todos como o Saulo morrer assassinado em Passione. Ainda mais porque, Werner Schunemann não merece sair antes do fim da novela, por conta de seu bom desenpenho. Se há uma atriz que merecia sair da trama de Sílvio de Abreu, essa é Carolina Dickeman.

Sua atuação como Diana é uma piada. Apagada, sem graça e sem emoção. Nunca vi coisa tão ruim de uma atriz que já foi boa,mas que se acomodou no trabalho, por ter sempre um espaço garantido nas capas de revistas. Carolina teve bons desenpenhos como em Laços de Família, Mulheres Apaixonadas, Cobras e Largatos e na primeira fase de Senhora do Destino. Portanto mesmo não sendo ,"aquela atriz", há no meio profissionais piores.

Mayana Moura, novata estreante arrasa com Carol em cena. Melina é mais interessante, deveria terminar com Mauro, bom personagem afetado negativamente por causa de Diana. Sílvio de Abreu que está conduzindo Passione com um certo exagero no que diz respeito a mistérios, deveria pensar melhor e matar a Diana. Aposto que o público não sentirá a sua falta. E assim, quem sabe Carolina volta a atuar bem.



Escrito por arte-e-cultura às 02h43
[] [envie esta mensagem] []



Questionamentos

Símbolo da revista sobre sexo mais famosa do mundo

As entrevistas da revista Playboy no Brasil são mais ricas e interessantes do que a nudez sem nenhum próposito artístico das atrizes, modelos e exs bbbs que posam na publicação. Uma revista com forte contéudo erótico,mas que possui uma boa equipe,incluindo fotográfos de nome. Isso,mais a posibilidade de aumentar a fama, faz muitas grandes e pequenas famosas, pousarem como vieram ao mundo.

Comum no Brasil. Não me lembro de ter ouvido de forma clara que a Playboy,por mais nome que tenha, não oferece um nu artístico. Ganhar fama e dinheiro com sexo é muito fácil. Ainda mais sem roupa,ou quase sem roupa.

O blogueiro do R7, André Forastieri inúmerou algumas razões para as mulheres pousarem nuas. Leiam abaixo

É totalmente pelada, mas sem pernas abertas;

- Você tem de estar em forma quando for fotografar;

- Mas não precisa se preocupar muito, porque o fotógrafo e equipe são de primeira;

- Além disso, todas as fotos passarão por um tratamento caprichado no computador, para corrigir os defeitinhos do seu corpo;

- E você ainda tem direito de aprovar as fotos que serão publicadas;

- Mas depois de aprovadas, estas fotos serão usadas em outras Playboy no futuro, no site, no celular;

- E naturalmente cairão na internet, onde todo mundo terá suas fotos à disposição para sempre;

- O que inclui seus amigos, familiares, amigos dos seus familiares, potenciais pretendentes etc.;

Nada contra sexo,ou erotismo. Tudo contra a vulgaridade. Aqui, vai as minhas humildes razões para as mulheres nunca pousarem nuas, ou quase nuas.

- Se você é atriz,vale mais a pena ficar nua em nome de alguma personagem. O contexto é mais interessante, e pode lhe render fama de uma forma bem mais bacana;

- Tanto a mulher quanto o homem precisam de um certo pudor. Custa ter um pouco de pudor! Não é á toa que sempre aparece uma foto de alguma artísta brasileira em sites de prostituição...

- O conceito destas revistas masculinas é extremamente machista. As mulheres se despem para satisfazerem milhares de homens.Não é melhor satisfazer apenas o seu homem. A mulher, bem vestida e elegante já é considerada um símbolo sexual. Por isso, apelação soa como vulgaridade;

- Mas se gosta de mostrar o corpo. Seja modelo,pois os ensaios sensuais possui uma finalidade de se vender um produto, que pode ser uma bolsa, um biquini,... E se ganha muito dinheiro com isso!

- Mostrar para os homens, que assim como eles,nós não precisamos da nudez, ou da semi nudez para crescermos no meio artístico.

Madonna, a deusa do sexo feroz em 1990

- Para as cantoras, a nudez necessita ser bem explicadinha. Madonna, por exemplo foi uma mulher erótica, porém sempre de forma contextualizada. Afinal quebrou vários tabus. Sua intenção era provocar. Agora se você é gostosona como a Beyoncé, e força a barra se apresentando de lingerie, está indo para o caminho da vulgaridade.

- Dinheiro bom é dinheiro conquistado com o suor do trabalho, e não com o suor da nudez.

 Clara já é erótica,por isso Mariana poderia evitar certas fotos

- Precisamos de pessoas que façam a diferença! Tem atriz que diz, " não poso nua jamais'. Mas está logo ali fazendo campanha para a marca de lingerie. Estranho isso,pois a atriz precisa se preservar e não é modelo,porque ser atriz e modelo não é possivél. Apesar que as atrizes, até por uma questão de sobrevivência precisam fazer alguns trabalhos como modelo,mas sem exageros.

Sandy, um bom exemplo de sensualidade

Esse foi um desabafo. A sensualidade nunca esteve tão á deriva, e as mulheres estão cada vez mais submissas. Precisam, como Kylie Minogue, declarou em uma entrevista, "se manter jovens e eróticas eternamentes". Não é bem assim. A sensualidade é mistério, pudor. È algo interessante. Já a pornografia, é o exagero, a nudez total descompromissada com a arte. Os homens não precisam disso. Já, as mulheres...

Pobre de nós..



Escrito por arte-e-cultura às 03h28
[] [envie esta mensagem] []



A cada ano mais perdida

Hoje a Record atropela o SBT

O SBT comemora vinte e nove anos no próximo dia 19 ,mas não tem muito o que comemorar. A emissora antes, vice líder na audiência,onde virava e mexia incomodava a Globo, se contenta em ficar atrás da Record e ás vezes até da Band. Sílvio Santos,dono do Sistema Brasileiro de Televisão, continua trazendo,mesmo com sua genialidade na comunicação,instabildade na programação de seu canal.

Sílvio Santos sonhava em ter seu próprio canal,já havia algumas afiliadas intitulada de TVS. Em 1980, com a falência da Tupi parte da concessão da emissora ficou com ele, e a outra com Adolfo Bloch do grupo Manchete. Alias,as duas emissoras foram fundadas em épocas bem próximas. Primeiro o SBT, e depois a Rede Manchete.

Várias concidências traçam a trajetória destes dois canais. Ambas vieram com a intenção de tirar da Globo a hegemonia de ser a principal emissora do Brasil. O SBT sempre teve uma proposta mais popular. Podemos dizer que fundou o sensacionalismo presente até hoje em alguns programas de TV, como o Superpop da Rede TV, por exemplo. Mas,na década de 1980, até pelo momento político no qual viviamos, o da redemocratização do país, alguns execessos eram permitidos.

Nós somos a TVS, terça 22 de outubro de 1988.Quem não se lembra?

A Manchete foi uma emissora claramente mais ousada. Nas novelas,as primeiras a bater de frente com as da Globo,exibiam cenas de sexo sem pudor. Porém, no canal nove tudo era bem contextualizado. Havia muita arte e talento,isso sim! Tanto que muitos profissionais como José Wilker que foi diretor da novela Corpo Santo, migravam no canal para novas experiências.

Manchete e SBT eram fortes na programação infantil. O SBT revelando apresentadores, a Manchete trazendo ao Brasil os animês ( desenho japonês). Em 1999, infelizmente a emissora de Aldofo Bloch faliu. Antes do fim trágico,sobrevivia de reprises,lançava novelas caras e sem fim, como Brida. Tinha ainda coisas boas,porém nada deteve o pior.

Pantanal, Xíca da Sílva,e Dona Beija: ousadia na teledramaturgia

Tudo isso é para dizer que apesar de não achar que o SBT esteja passando por problemas financeiros ( até porque enquanto a Tele Sena e o Baú da Felicidade existirem, parte do sustento da emissora estará garantido) é preciso ficar atenta. Diminuir capítulos de novelas, como o que ocorreu com Uma Rosa com Amor, e baixar orçamentos da sucessora ( Corações Feridos, que alias é uma adptação da mexicana A Mentira,exibida pelo SBT em 2000) não surge como boas alternativas.

Mesmo a programação do canal com potencial em alguns programas como SuperNany, Esquadrão da Moda,Programa Sílvio Santos e Conexeção Repórter, está com sua grade sem planejamento. Há muitas reprises. Não que não goste de reprises,pois adoro a novela Pérola Negra,mas tudo que é demais soa como desespero. Sim,desespero pode ser uma boa definição para o SBT atualmente.

Se cuida,hein Tio Sílvio!

Quando achamos que a grade vai se organizar... Do nada Sílvio Santos muda tudo. Essa relação com a Manchete é só um alerta para o SBT ,pois a Record,mesmo com os seus defeitos está se esforçando para crescer. Assim como a Band. E o Sistema Brasileiro de Televisão vai ficando cada vez mais para trás.



Escrito por arte-e-cultura às 03h07
[] [envie esta mensagem] []




[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]